segunda-feira, 24 de julho de 2017

POEMA AS VELHAS SESTAS





AS VELHAS SESTAS

 Arredores sem florestas
Havia sim, intenso calor
As velhas sestas
Ao longe ecos de trovador
Soavam como orquestras
Imitando tecnicolor
Outras insignes festas!
Volume, som de bateristas
Artes de amador
Parecendo guionistas
Brioso e atento captador
Fervor de artistas
Orientação de pendor
As velhas sestas!...
Eu pertinaz pensador!...

Daniel Costa

POEMA MEIGA E TERNA AVÔ JESUINA



MEIGA E TERNA AVÓ JESUÍNA

Do século XIX heroína
Até ao XX andou o relógio
Meiga e terna avó Jesuína
Em 1957 foi fim do martirológio
Sem sofrimento, partida repentina
Desse valoroso anjo egrégio
Com quatro bebés, mulher menina!
Enviuvou, quis o Régio
De novo casou, divina!
A casa de mais quatro foi refúgio
Deus deu mais um, pura adrenalina!
Nove, embalou, privilégio?
Reforma pombalina?
Para vida de amor e prestigio?
O segundo, cedo endoidou, ela não desatina
Vinte e seis netos; viu, consumado o adágio!
Meiga e terna avó Jesuína!

Daniel Costa


PARA LÁ E PRA CÁ DO BOMBARRAL


<br/><a href="http://oi63.tinypic.com/mae5fp.jpg" target="_blank">View Raw Image</a>

PRA LÁ E PRA CÁ DO BOMBARAL
 
 
Perto o Casal do Urmal!
Antes o Casal Torneiro
Pra lá e pra cá do Bombarral
Onde viajei a pé primeiro
Pra lá a vila do Cadaval
Restaurante “Cigano” além do outeiro
Pra lá, Senhor Bom Jesus do Carvalhal
Pra cá Moita dos Ferreiro (s)
Par lá o solar, dos Loridos, ancestral
Pra cá dos vinhos cancioneiro,
 Justificando a extensa galeria de arte oriental
Transportada da China, por inteiro,
Pra lá ver, entre vinhedos, integral
Pra cá, vinho verde, alvissareiro
Saboroso, fraco, pioneiro, bem cultural,
Desvendemos o medianeiro!
Pra lá e pra cá do Bombarral!
 
Daniel Costa
 

 

POEMA AS MERETRIZES



AS MERETRIZES
 
De guerras matrizes
Ditas toleradas
As meretrizes
Em cidades aglomeradas
Sempre chamarizes
Ares de ateatradas,
Poses de imperatrizes
Chamamento às descaradas
Vestes directrizes,
Para guerras notificadas,
Por proxenetas, suas matrizes
De dicotomias douradas
Rapinas motrizes
No tempo da guerra às pedradas,
A profissão já existia, só não havia abatises,
As sabedoras estavam caladas,
As meretrizes,
Mundanas toleradas!
 
Daniel Costa


 

POEMA ZÉ HUMILDE, NINGUÉM



ZÉ HUMILDE, NINGUÉM
 
Trabalhos se erguem
Zé povo a ver as elites
Zé humilde, ninguém
Povo é visto como o zénite,
Quando convém!
O povo, o Zé, será aceite
Ouve rogos de alguém,
Depois não passa de arrebite,
Elites olham o Zé com desdém
Quem é esse Zé? É enfeite?
Seus arroubos obliqúem!
Zés, Zé… Dos poderes satélite!
Zé humilde, ninguém
Elites de voraz apetite
Vales na volta, quando convém,
Exibirás, Zé, efémero convite!
 
Daniel Costa
 
 

 

 

segunda-feira, 26 de junho de 2017

POEMA MIRADOURO DE SÃO PEDRO DE ALCÂNTARA



MIRADOURO DE SÃO PEDRO DE ALCÂNTARA
 
Não avistamos capivara,
Do lisboeta miradouro,
De São Pedro de Alcântara,
Podendo ser imaginado como cítara
Visão de ouro,
 De beleza antecâmera,
De Lisboa das sete colinas, pelouro!
São Pedro de Alcântara,
 Bairro Alto, seu logradouro,
Para variados povos foi jóia rara
Agora do turista, é imagem de vindouro,
Desejo de voltar, alvissara!...
Eterno desejo trepadouro,
Avistamento, de tâmara,
Da Lisboa, de tesouro,
São Pedro de Alcântara,
Alfacinha miradouro!
 
Daniel Costa
 
 

domingo, 3 de julho de 2016

POEMA SINGULARIDADES




SINGULARIDADES

Esquecimento de verdades
Brancas de conversador
Singularidades
Trejeitos de pensador
Parecendo insanidades
Compensação de prosador
Protegido por autenticidades
Discurso compensador
Singularidades
Visão de apreciador
Vida sem vaidades
Humildade de abalizador
Mentais hiperatividades
Do sentir bloqueador
Singularidades
Singeleza multicolor
Patentes amabilidades
 Desejando amor entendedor
Para casualidades
De quem delas é credor
Singularidades

Daniel Costa