segunda-feira, 28 de setembro de 2015

POEMA QUANDO FUI HORTELÃO




QUANDO FUI HORTELÃO
 
Como se empunhasse o violão
Construir uma horta adreguei
Quando fui hortelão
Ousei e me empolguei
Dezassete anos era o escalão
Na clandestinidade reguei
Temendo perseguição
Porém, o restolho saneei
Dezassete anos, eis a lição,
Do querer, que quantifiquei
Horas de lazer, que chapelão!
Depois da jorna que saquei
Que sempre foi bengalão
 Dirão duro, mas pontifiquei
Verdes produtos me davam razão
Aconteceu que verifiquei
Ter subido no escalão
 Segredo desvendado, com jóquei
E orfeão na tasca do João
Me emancipando ganhei,
Quando fui hortelão.
 
Daniel Costa
 

sábado, 12 de setembro de 2015

NOTA DO AUTOR


 

Nota do autor
A poesia está em tudo, como na horta que criei aos 17 anos, em que as plantas comungavam do meu sentir poético-optimista, revelada com a sua permanente verdura viçosa como a sorrir para mim.
Daniel Costa
 

terça-feira, 8 de setembro de 2015